Solimar Silva
Crônicas, poesias, artigos diversos, livros, cursos, palestras e oficinas!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Autorretrato Digital (na Nova Ortografia!)
 
Nasceu em 1975, em Duque de Caxias, Rio de Janeiro.
Casada uma vez, tem um filho. Perdeu o segundo com semanas de gestação.
Altura 1,55. Arredondando-se para cima, o que não vale de grande coisa.
Sapato nº 34.
Gosta de andar. Prefere voar.
Gosta dos vizinhos. Só não sabe seus nomes e quase não os vê.
Detesta falsidade, preconceitos, barulho.
Tem horror à injustiça.
Usa óculos. Mas os esquece sempre.
Não tem preferência por nenhuma comida.
Queria não gostar de doces. Mas gosta de frutas, doces, salgados...
Gosta tanto de ler como de comer.
Pode viver sem música por um bom tempo.
Mas às vezes ouve e canta no último volume. Sem ninguém por perto, claro.
Não tem leitura predileta.
Mas tem livros que ocupam lugar especial em suas memórias afetivas.
Escreveu “Felicidade de presente” aos 29 anos.
Sua primeira poesia publicada foi aos 17.
Acha melhor esperar os 41 para publicar o primeiro romance.
Vai que número ímpar dá sorte.
E também não daria tempo de publicar antes – falta apenas um mês para os 41.
Não bebe. Não fuma. Não se droga. Mas não é careta ou chata.
Imaginativa. Inventiva. Criativa. Adaptativa.
Acredita em Deus. Já leu a Bíblia. Isso não a torna melhor.
Odeia disse-me-disse. Adora viajar.
Não tem romancistas brasileiros que mais lhe agradam.
Os livros que lhe agradam são variados.
Não deseja a morte de ninguém.
Escreve seus livros a qualquer hora, quando dá, quando surge a ideia.
É professora, trabalha na educação básica e ensino superior.
É mãe, portanto, chofer do filho também.
É muito otimista e discorda de muita coisa – nada contra a maré.
Só tem três vestidos, duas calças jeans, algumas camisas, seis pares de sapato velhos.
Tem três romances registrados na Biblioteca Nacional. Não vai publicar nenhum deles.
Nunca esteve presa, mas já se sentiu presa algumas vezes.
Escreve à mão ou no computador. Este texto, no computador. E publicado em um blog.
Não tem dívidas.
Espera morrer com 101 anos de idade.
Porque é sonhadora.
 
(Texto inspirado em Auto-Retrato, de Graciliano Ramos)
Solimar Silva
Enviado por Solimar Silva em 04/09/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários